Pages

ESCOLA FORMA BRUXAS ADOLESCENTES NO BRASIL

A Casa de Bruxa, localizada em Santo André/SP, tem se popularizado por ensinar adolescentes a se tornarem feiticeiras. São aulas de botânica, astronomia e culinária. O custo é R$ 1.876 a cada 13 lunações, cerca de 4 meses. O total necessário são 2 anos para se obter o diploma.

Com o nome oficial de Universidade Livre de Holística, a Casa da Bruxa vê sua popularidade crescer por causa de livros e filmes que mostram bruxas e seres sobrenaturais como heróis, caso das séries Harry Potter, Crepúsculo e “Dezesseis Luas”, que estreia hoje no Brasil
Laura Regina de Santana, 18, e Larissa Miotto, 16, são estudantes da Universidade. A mais velha diz que começou a estudar bruxaria após participar de um ritual e ler os livros ‘As Brumas de Avalon’. A mais nova teve influência dos pais. “Minha mãe é bruxa e meu pai é mestre de reiki”, conta a reportagem do IG.
“Eu gosto de bruxaria desde que eu me entendo por gente”, acrescenta, enfatizando que frequenta a Casa de Bruxa desde que nasceu, mas só se tornou aluna oficialmente ano passado.
Segundo as adolescentes, elas são constantemente alvos de brincadeiras maldosas de pessoas que não aceitam sua opção. “Quando ficam sabendo que sou bruxa, os meninos começam a falar: ‘Nossa, sai daqui. Amarrado em nome de Jesus’”, lamenta Larissa. “Já me perguntaram se eu faço um pacto com o demônio, se eu ofereço coisas para ele”. “Há pessoas que fazem coisas ruins, mas a maldade está nelas e não na bruxaria”, diferencia Larissa.
Todos os meses, as bruxas fazem celebrações para a Lua Cheia. Além disso, fazem seus feitiços “do bem” e cuidam de seu altar individual de bruxa. “Ele é meio como se fosse a nossa vida, então, quando você o organiza, é como se arrumasse ela também”, explica a aprendiz.
Todos os estudantes da Casa de Bruxa usam capa, caldeirão, varinha mágica e chapéu. Mas a escola enfatiza que só pode frequentar as aulas quem tiver a autorização dos pais. No final, elas passam por uma espécie de ritual de consagração, uma formatura em que receberão seu “nome mágico”, que é mantido em segredo.
Para os alunos, isso não é o mais importante. Afinal, eles acreditam que muita gente faz algum tipo de ritual mágico, chamados de simpatias.
“Comer sete sementes de romãs no Ano Novo, por exemplo, é coisa de bruxa”, explica Laura. Ou seja, todos nós somos feiticeiros e nem sabíamos disso. Já para Larissa, “toda mulher tem um pouco de bruxa”.
Nota:
O diabo vem tentando nos enganar de diversas formas e essa é uma delas, não existe bruxa boa ou feitiço bom, o que existe é uma tremenda mentira do diabo e que está principalmente tentando alistar nossos jovens para as mentiras dele se infiltrando através de livros, filmes e coisas do género pois ele é o pai da mentira.
Aqui fica o alerta a vocês pais cuidado com o que os seus filhos estão vendo, lendo ou aprendendo por aí.  

Este artigo é: