Pages

FÉ PODE AJUDAR NO TRATAMENTO DE DOENÇAS COMO A DEPRESSÃO

Fé pode ajudar no tratamento de doenças como a depressão
Uma reportagem realizada pela equipe do Yahoo! mostra que a fé é importante para o tratamento de doenças emocionais, uma constatação feita por muitas pessoas que superaram, por exemplo, a depressão através do envolvimento com religiões.
A psiquiatra Elisa Brietzke foi consultada para comentar esta ligação e assegura que de fato a fé pode ajudar a curar estes problemas. “Pessoas com atividade religiosa têm mais capacidade de enfrentamento, são mais resistentes contra a depressão”, ressalva a médica que é coordenadora científica do PRISMA (Programa de Reconhecimento e Intervenção em Estados Mentais de Risco) da Unifesp.
A cura vem pela convivência em grupo que as entidades religiosas, independente da confissão de fé, oferecem. “Ela passa a ter um suporte da equipe”, explica a médica.
Juscilei de Cássio Brotti Marinho, 52 anos, contou que entrou em depressão depois da morte do filho de 22 anos. O jovem morava no Japão e em 2009 faleceu vítima de um acidente de moto. Para poder suportar o sofrimento da perda do filho, Jô passou a frequentar uma igreja e hoje está melhor.
“No primeiro ano ainda estava em busca (de um suporte psicológico), no segundo, caminhou melhor e só agora posso dizer: não estou depressiva. Consigo compreender que meu filho viveu feliz ao fazer tudo o que planejou”, disse.
A psiquiatra acredita que em casos de luto a religião consegue confortar as pessoas e ajuda a superar a dor da perda. “O fenômeno ajuda as pessoas a superarem o luto porque creem que existe um céu e a vida continua após a morte, ou, ainda, recorrem à simples ideia de que nossa existência importa para a humanidade, para a ciência”, diz Brietzke.
E foi exatamente isso que aconteceu com Jô. “Compreendi que cada um tem de passar por seu próprio sofrimento, perdoar a quem culpamos por um determinado problema e seguir em frente. Tive fé e voltei a viver porque minha família precisava de mim.”
Mas é importante dizer que quem está em tratamento médico não pode interromper o uso de medicamentos nem desistir da terapia, pois estes procedimentos também são importantes.

Este artigo é: