Pages

PERSONALIDADES SATÂNICAS - PARTE 2

Michael Aquino

“O satanismo não deve ser considerado como simplesmente mais uma religião; deve ser considerado, sim, como uma não-religião.” Michael Aquino

Michael Aquino

Na história do satanismo moderno, é interessante observar que a primeira e mais séria divisão que houve na Igreja de Satanás foi com respeito à questão de haver ou não um ser real como Satanás, que de algum modo devesse ser adorado; ou se se tratava apenas de um símbolo disponível.

Em decorrência dessa divisão, em 1975, foi fundado o Templo de Set, do Dr Michael Aquino, que não é menos inteligente do que o seu ex-colega precursor La Vey. Exibindo uma mancha negra de cabelos no centro da testa que seria invejada por personagens de horror cômico do cinema, e sombrancelhas satânicas como as do “Dr.Spock” (características que ele jura serem naturais), Aquino parece ser realmente um feiticeiro. Sua mulher, Lilith Sinclair, é uma bela morena, muito magra e de rosto muito pálido, que usa vestes pretas de cetim, parecendo-se com a “Mortícia” da “Família Addams”.

Michael Aquino e sua esposa Lílite

Embora o casal possa parecer divertido, eles são tudo!, menos isso! Diferentemente de La Vey, mais excêntrico e gênio autodidata, Aquino tem doutorado em Ciência Política e é tenente-coronel da Inteligência [serviço secreto, ou de segurança] do exército americano, contando assim, com elevado grau de segurança (que pensamento confortador!). Diz-se que é perito em guerra psicológica e em guerra psicotrônica ( o que no exército americano é chamado de “Psyop”).

Nos atos de consolidação da Igreja de Satanás, Aquino era o braço direito de La Vey, e Lilith Sinclair era uma proeminente líder de uma das maiores “cavernas” (como são chamados os grupos dessa Igreja) na costa leste americana. Aquino chegou até mesmo a escrever o prefácio para o livro de La Vey Satanic Rituals [Rituais Satânicos]. Não sabemos ao certo quanto do conteúdo dos ensinos da Igreja de Satanás foi influenciado por Aquino, mas parece ter sido considerável a sua influência.

Os motivos pelos quais eles romperam com a Igreja de Satanás são controvertidos. Aparentemente, uma forte razão pode ter sido o fato de que Aquino achou que La Vey não estava levando o satanismo tão a sério como deveria. Aquino discordou do ateísmo pragmático de La Vey e também da sua festiva forma de se exibir em público. Deve ter achado que La Vey estava “no negócio” apenas para ganhar dinheiro – o que descaradamente La Vey acabou admitindo. Por incrível que pareça, Aquino sentiu que o certo seria uma abordagem mais “altruísta” (desculpem-nos o termo).

Em vez de criar um satanismo prêt-à-porter, para uso imediato, ao qual qualquer um poderia filiar-se, bastando pagar uma taxa de inscrição, Aquino vislumbrou uma elite, quase paramilitar de intelectuais que realmente acreditassem no “lado das trevas” e que ali não estariam somente em troca de algumas emoções baratas e fora de série ou para ganhar dinheiro fácil.

Aquino, La Vey e um amigo.
Em seus escritos, Aquino deu a entender que a tocha havia sido passada de La Vey para ele, um homem mais sério, mais inteligente e mais dedicado. Estava implícito que La Vey havia sujado o ninho do inferno com um materialismo crasso e humor de baixo nível. Aquino vinha para ser o novo messias das trevas, após o “João Batista”, La Vey. Este teria que diminuir, para que Aquino e seu “novo” deus, Set, pudessem crescer. La Vey manteve-se  calado sobre essa cisão, e cada vez mais isolado nestes útimos anos. 

O Templo de Set

Desde seu início, em 1975, o Templo de Set tem refletido os desejos do seu fundador. Tem sido mais elitista e com menor mentalidade de publicidade do que a Igreja de Satanás. Assim, sua membresia não tem passado de algumas centenas de pessoas, tendo talvez alcançado o máximo de mil membros, ao passo que a Igreja de La Vey tinha milhares de membros, muitos dos quais pessoas simples que enviaram dinheiro para se filiarem à organização e receberam seu cartão de membro.

Aquino preferiu deixar de lado o nome de “Satanás”, que mexe com as pessoas. Para ele, essa palavra tinha adquirido uma conotação demasiadamente negativa. Por isso, sua divindade é chamada “Set”. Os membros do Templo de Set chamam-se a si mesmos de “setianos”, e não “satanistas”. Aquino considera Set como sendo uma forma mais antiga e mais pura do arquétipo ou imagem de Satanás.

Set era um deus egípcio (cerca de 3400 a.C), considerado um deus do mal por faraós posteriores, que chegaram a alterar seus templos e monumentos visando erradicar sua memória e seu culto. Estava ligado aos cultos sumerianos e à estrela Sirius. Seu símbolo é o pentagrama invertido, que os setianos usam com muito orgulho.

set - priscila e maxwell palheta
Set
Pode-se falar muita coisa sobre uma Igreja simplesmente analisando o seu deus, e Set não é exceção. É o equivalente egípcio de Caim, que os ocultistas acreditam não ter sido fiho de Adão com Eva, mas com uma hipotética mulher, anterior a Eva, chamada Lílite.

Segundo alguns comentários rabínicos ( não conforme o Antigo Testamento), Adão teve uma mulher que havia sido feita, como ele, de barro. Era Lílite. Ela, no entanto, não era mulher mansa, submissa e humide ajudadora de que Adão necessitava. Ela não se submetia, diz essa história, à autoridade dele, fosse no ato conjugal ou em qualquer outra coisa. Assim, Adão foi à presença de Deus e queixou-se, na verdade pedindo-lhe o divórcio. Deus fez então Eva a partir da costela de Adão, para que desse modo ela fosse mais dócil, para com ele. Todavia, como ocorre em qualquer divórcio, restou o problema do que fazer com os filhos. Lílite estava grávida de um filho de Adão ao ser expulsa do Éden. Supostamente ela estava com tanto ódio que, ao nascer a criança, despedaçou-lhe a cabeça, jogando-a num rochedo às margens do rio Eufrates.

Dependendo de qual versão dessa lenda se queira adotar, todos os demônios do mundo provieram da caveira que restou daquela criança morta, e esta seria a origem de todos os demônios; ou então foi Set que proveio daquela caveira. De qualquer modo, Líite é assim considerada a mãe de todo mal e de todas as abominações.

Por causa desse terrível ato, os judeus mais supersticiosos de todos os tempos têm acreditado que Lílite é a causadora da chamada “morte do berço” e do infanticídio. De fato, em alguns lares judeus, até hoje , coloca-se um talismã sobre o berço, invocando a proteção de três anjos sobre a criança: Sanvi, Sansanvi e Samengalef. Estes anjos são tidos como arquiinimigos de Lílite. Pena que não sejam citados na Bíblia!

Lembre-se de que a grande sacerdotisa do Templo de Set, a esposa de Aquino, mudou seu nome, para “Lilith” [Lílite]. Isto mostra a reverência do casal para com essa idosa divindade. Os egípcios da Antiguidade acreditavam em que Set era o deus responsável por todo o mal, e sua “mãe”, Lílite, a feiticeira da noite e “padroeira” do aborto (uma prática tradicional da bruxaria). No antigo Egito, Set originalmente era adorado com rituais obscenos e homossexuais, antes de acabarem com o seu culto.


Aquino, não obstante, ensina que a Igreja Cristã fez de Satanás “o responsável” para justificar o erro que foi a expulsão do Jardim do Éden, e a separação do homem do mundo carnal e do restante do Universo. Set (que seria a verdadeira identidade de Satanás) representaria, na verdade, esse sentimento de alienação e solidão em relação ao resto do cosmo.

A escolha de Set como principal figura sagrada do templo de Aquino é bastante sintomática, pois o culto a Set, como agora restaurado, gira em torno do livro Liber Al vel Legis [O Livro da Lei], anteriormente mencionado. Este livro foi “revelado” em 1904 a Aleister Crowley, e supostamente “psicografado” pela primeira esposa de Crowley, Rose Kelly, de um ser supostamente super-humano, de nome Aiwass, que seria o próprio Set ou um seu precursor. 


Para que uma parte do que se segue possa fazer sentido, temos que fazer nova pausa no nosso assunto, para explicar melhor o que dissemos até agora acerca da posição de Aleister Crowley em tudo isso.



FONTE

Veja também   

PERSONALIDADES SATÂNICAS - PARTE 1

PERSONALIDADES SATÂNICAS - PARTE 3

Este artigo é: